Piratas Da Net: Portal

Ir para

Online Users

4 members, 41 visitors and 0 anonymous users

Yahoo, joneoo Firefox, LMChalleak Explorer, Google, BAMovec Firefox, fabiofrn Firefox



Publicidades


Recommended Sites


Johnny Depp faz detetive diferente em ‘Sherlock Gnomes e o Mistério do Jardim’

Membro offline  
Blog PDNet 
- 11-09-17 18:59 - 0 Comentários

Sequência da animação “Gnomeo e Julieta”, lançada em 2011, “Sherlock Gnomes e o Mistério do Jardim” chega aos cinemas em 29 de março



Sherlock Gnomes e o Mistério do Jardim do Jardim

Foto: Divulgação

Continuando as aventuras de “Gnomeo e Julieta”, “Sherlock Gnomes e o Mistério do Jardim” promete trazer um toque de mistério para a aventura do casal mais apaixonado do jardim. Nesta aventura, ambientada no coração de Londres, alguns gnomos desaparecem sem deixar rastros. Gnomeo e Julieta unem forças com os renomados detetives Sherlock Gnomes e Watson, para descobrir o que está por trás do mistério e começam a perceber que permanecer apaixonados pode não ser tão fácil como se apaixonar.</p>Com trilha sonora assinada por Elton John e vozes originais de Johnny Depp (Sherlock Gnomes), Emily Blunt (Julieta) e James McAvoy (Gnomeu), “Sherlock Gnomes e o Mistério do Jardim” tem data de estreia marcada para o dia 29 de março do ano que vem.</p>
Lido 35 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

Cineasta brasileiro é nomeado Presidente do Júri do Beverly Hills Film Festival

Membro offline  
Blog PDNet 
- 11-02-17 09:18 - 0 Comentários

Frederico Lapenda, que já filmou com Nicolas Cage e Danny Glover, espera muitos filmes brasileiros na competição

Uma grande vitrine de Hollywood, que atrai em seus eventos nomes estrelados, como Jon Voight, Danny DeVito, Sharon Stone e Andy MacDowell. Esse é o Beverly Hills Film Festival, criado em 2001 por Nino Simone e responsável por impulsionar várias carreiras.</p>

Addam Ottmar, COO, Nino Simone, CEO Fundador, Frederico Lapenda, presidente, Anthony Severin, CFO Beverly Hills Film Festival

Foto: Reprodução

Em um ano que marca uma década de sua participação no evento, o produtor e cineasta brasileiro Frederico Lapenda foi nomeado presidente do Grand Jury do Beverly Hills Film Festival, cargo responsável por, entre outras funções, selecionar so jurados que vao eleger os vencedores da competição.</p>A história de Lapenda com o festival começou em 2008, quando ele se consagrou o vencedor com seu filme Bad Guys, estrelado por Kate Del Castillo, Danny Strong e Rampage Jackson. Sua segunda vitória foi em 2010, com o documentário Sequestro, que também concorreu a uma nomeação a um Oscar. Em 2013, Lapenda fundou e produziu o Beverly Hills Film Festival Japan e acredita que um formato de Gand Prix seria a melhor forma de garimpar filmes internacionais.

A edição de 2018 será realizada entre os dias 4 e 8 de Abril de 2018, com estreia programada para o tradicional Teatro Chinês da Hollywood Blvd. Duas grandes vantagens podem ser destacadas do festival. Primeiro por ele estar localizado no coração da indústria de cinema, próximo aos grandes distribuidores e agências de talento, o que facilita aos realizadores convidar esse público para assistir seus filmes na tela grande. Em segundo lugar, pelo perfil ‘não corporativo’ do evento, que resulta em menos política e foco total na qualidade das produções.

Lapenda acredita que os festivais de cinemas são de extrema importância para os jovens por ser uma oportunidade de ouro para eles mostrarem seu trabalho. “A exibição do filme na tela de cinema aumenta aquele impacto inicial sobre quem assiste, alguns casos conquistando no ato a distribuição para a obra. Além disso, é uma excelente oportunidade para fazer networking, atrair um empresário e criar novas alianças que resultam em futuros projetos”.

Sobre o cinema brasileiro, Lapenda se mostra muito animado com essa nova fase, repleta de produções de grande potencial. “Estou muito empolgado com essa nova safra de produções e espero ver muitas delas brilhando em festivais, como o de Beverly Hills, mostrando o talento do brasileiro para os mercados do mundo todo”.</p>
Lido 92 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

Os dez melhores filmes lançado pelo Marvel Studios

Membro offline  
Blog PDNet 
- 10-24-17 17:13 - 0 Comentários

Com o terceiro filme solo de Thor à espreita, listamos as dez melhores produções da Marvel no cinema. São 17 lançamentos em nove anos de atividade do estúdio.

A Marvel é uma religião. Ou quase. De todo modo, elaborar uma lista dos dez melhores filmes já produzidos pelo estúdio, “Thor: Ragnarok”, que está na lista, é o 17º lançamento desde que Robert Downey Jr. e Jon Favreau surpreenderam o mundo com “Homem de Ferro” em 2008, é mexer em um vespeiro.



Os dez melhores filmes da Marvel Studios

Foto: Reprodução

A lista talvez ajude a visualizar melhor como os filmes da Marvel seguem uma fórmula bem sucedida. Os três filmes do “Capitão América” estão na lista. É a trilogia que apresenta os filmes mais diferentes entre si e todos de ótimo nível. É claro, que nenhuma lista é unânime e nem deve ter pretensão para tanto.</p>
10 – “Doutor Estranho” (2016)


”Doutor Estranho” está entre os melhores filmes que a Marvel já fez

Foto: Divulgação

Dirigido por Scott Derrickson, letrado no cinema de horror, “Doutor Estranho” prometia levar a Marvel a outro patamar. Não foi o caso. Repetindo beats de outros filmes do estúdio, o filme apresentou efeitos especiais vistosos e trouxe metafísica, planos astrais e o conceito de morte para a ordem do dia de um blockbuster com certo grau de sucesso. O elenco, inusitado para um filme de herói, é outro bom atrativo da produção.</p>
9- “Homem de Ferro 2” (2010)


“Homem de Ferro 2” traz novas aventuras do super-herói, playboy e filantrópo Tony Stark

Foto: Reprodução

Mickey Rourke e Sam Rockwell fazem vilões histriônicos e divertidos; Robert Downey Jr. volta a dar show; cenas de ação caprichadas; e a melhor frase já dita em um filme da Marvel – aquela sobre a privatização da paz mundial – embalam um filme cuidadosamente hiperbólico que atestou que a Marvel estava nessa para ganhar.</p>
8- “Thor: Ragnarok” (2017)


Hela ainda não estreou nos cinemas, mas com Cate Blanchett a personagem deve ser uma ótima vilã

Foto: Divulgação

Visualmente delirante, o terceiro filme solo de “Thor” é uma história em quadrinhos filmada. Com mais humor e certa ambição estética do que os exemplares anteriores, “Ragnarok” pavimenta um novo caminho para a Marvel no cinema e prova que o Deus do Trovão sabe rir de si mesmo e nós rimos com ele.</p>
7- “Os Vingadores” (2012)


Projeto da Marvel Studios culminou em “Vingadores” em 2012, finalizando a “Fase 1” da Marvel

Foto: Divulgação

O grande projeto da Marvel, o ponto final na fase 1 do estúdio no cinema, a consolidação de um dos projetos mais ambiciosos já vistos no cinema, “Os Vingadores” é um filme de equipe que aposta no humor, nos diálogos ligeiros e em cenas de ação megalomaníacas. A receita é para as massas e a bilheteria superior ao bilhão de dólares dá pouca margem para contestação.</p>
6- “Capitão América: O Soldado Invernal” (2014)


”Capitão América: O Soldado Invernal” está na lista dos melhores filmes da Marvel Studios

Foto: Divulgação

Um thriller político de primeira linha com direito a vilão interpretado por Robert Redford. Eis aí uma senhora credencial para o filme que traz o Capitão América para a contemporaneidade e investe em trama e narrativa completamente diferentes do primeiro filme. Chris Evans e Scarlett Johansson têm uma química a la Bonnie e Clyde e garantem o escopo de filme setentista em plena ebulição da era Marvel. Foi o primeiro filme dos irmãos Russo para o estúdio. Além de “Guerra Civil”, eles dirigem os dois próximos “Os Vingadores”.</p>
5- “Homem-Formiga” (2015)


“Homem Formiga” também conseguiu seu espaço nessa lista

Foto: Reprodução

Edgar Wright tinha um plano e ele dava conta de que “Homem-Formiga” seria um filme radicalmente diferente do que a Marvel está acostumada a ofertar. É claro que divergências criativas o retiraram do projeto. Mas seu crédito como autor do argumento permaneceu e em sua primeira hora, “Homem-Formiga” lembra mais “Onze Homens e um Segredo” do que qualquer filme de herói, mas a coisa vai diluindo aos poucos. Não que Peyton Reed, que assumiu a direção, vá em direção oposta, mas o longa termina mais comum do que começou. Ainda assim, é um filme divertido e muito bem embalado.</p>
4- “Capitão América: O Primeiro Vingador” (2011)


“Capitão América: O Primeiro Vingador” mostra as origens do soldado mais forte dos Estados Unidos

Foto: Reprodução

Dirigido por Joe Johnston, de “Jumanji” (1995) e “Jurassic Park III” (2001), “O Primeiro Vingador” é a melhor matinê do século. Em 17 anos de muitos filmes com tal pretensão, não é pouca coisa. O filme de origem do “Capitão América” nos lembra porque gostamos tanto de produções como “Indiana Jones” e porque vibramos com nossos heróis favoritos no cinema.</p>
3 – “Guardiões da Galáxia” (2014)


“Guardiões da Galáxia” também conquistou seu espaço nessa lista com confusões intergalácticas

Foto: Reprodução

“Star Wars” encontra “Perdidos no Espaço” é uma boa definição para essa comédia de ação muito bem azeitada por James Gunn, com direito a algumas das melhores piadas da década, cenas de ação bem coreografadas e personagens muitíssimo bem desenhados. Ninguém esperava uma derrapada da Marvel, mas realmente não se esperava um filme tão bom e um sucesso tão acachapante. A sequência muito digna que chegou em 2017, não chega nem perto da qualidade desse produto pop tão bem adornado.</p>
2 – “Capitão América: Guerra Civil” (2016)


“Capitão América: Guerra Civil” coloca os super-heróis da Marvel em lados opostos de uma batalha

Foto: Divulgação

O terceiro filme solo do “Capitão América” foi tanto um triunfo de roteiro, como da estratégia de um universo compartilhado no cinema. “Guerra Civil” não seria possível, em potência e impacto dramático, se não fosse um capítulo de uma história maior, mas também é um filme coeso e muitíssimo bem resolvido, com foco em seu protagonista, mas generoso com os muitos outros personagens. Como bônus, ainda oferta algumas das melhores cenas de ação da história do gênero.</p>
1 – “Homem de Ferro” (2008)


Primeiro filme de herói da Marvel: “Homem de Ferro” é o melhor filme do estúdio

Foto: Reprodução

O primeiro filme lançado pela Marvel, antes do estúdio ser comprado pela Disney e de se ver amarrado a fórmulas, permanece como o melhor e mais bem urdido longa do estúdio. Cineasta então pouco experimentado, Jon Favreau teve liberdade para contar uma história de origem com boas cenas de ação e muito humor. O filme tem em Robert Downey Jr., aqui redescoberto por Hollywood, um coringa e tanto. Seu charme e carisma, combinado à inteligência do roteiro escrito por Mark Fergus, Hawk Ostby, Art Marcum e Matt Holloway, garantem um filme cheio de frescor e força dramática.</p>
Lido 156 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

Autora do livro ‘Entre Irmãs’ aprova filme baseado em sua obra

Membro offline  
Blog PDNet 
- 10-16-17 08:54 - 0 Comentários

Frances de Pontes Peebles falou sobre o sucesso de seu livro; veja esse e outros destaques da coluna Bastidores

Publicado originalmente com o título “A Costureira e o Cangaceiro”, o livro “Entre Irmãs” da escritora Frances de Pontes Peebles virou um filme de Breno Silveira, protagonizado por Nanda Costa e Marojie Estiano. Em entrevista , Frances conta um pouco sobre o livro, que lhe renderam até mesmo prêmios importantes, e planos para o futuro.



Frances de Pontes Peebles

Foto: Divulgação 

Depois de ver “Entre Irmãs”, já em cartaz nos cinemas, Frances conta que aprovou o filme e frizou a dificuldade de escrever um roteiro a partir de um livro de 600 páginas. Para ela, Patrícia Andade captou a alma e o espíro do livro. “O nível de fidelidade com a história me emocionou muito! O meu nível de participação foi simplesmente escrever o livro. Eu acho que o elogio mais forte e mais bonito que qualquer artista pode receber é que outro artista se inspire no seu trabalho. Isso me dá muita satisfação”, contou ela, que não quis se envolver no filme e apenas confiou no resultado.

Questionada sobre uma possível inspiração para a obra, a escritora diz que a história sempre esteve dentro dela, mas demorou para sair da maneira certa. “A inspiração vai se acumulando dentro de nós ao longo do tempo. A vida é cheia de momentos e pessoas marcantes, mas nem todas viram romance. Então, antes de escrever qualquer coisa, eu penso muito bem se a ideia e as personagens são duradouras, se eu quero passar dois, três, quatro anos, no caso do “Entre irmãs” seis anos com essas personagens”, disse. Ela conta que desde jovem queria escrever sobre o cangaço de uma maneira diferente e ao procurar informações a respeito, percebeu que não existiam, o que a deixou interessada, porém triste. “Eu queria mostrar o lado humano, feminino, e também o lado violento do cangaço”.

A autora escreveu seu livro em inglês e, depois de ler a primeira versão em português, publicada em 2010, não tocou mais no livro. ​Ela é brasileira radicada em Chicago e veio ao Brasil para o lançamento do filme. Frances conta que leu o livro novamente em setembro desse ano e acabou vendo que faria algumas alterações na obra. “talvez fizesse um livro um pouquinho mais curto que as 600 páginas que contam essa história (risos). Mas, fora isso, as personagens realmente foram fortes e emocionantes e isso para mim é o mais importante porque são elas que guiam o livro”, conta ela.





Ela continua a inflexão. “Comecei a escrever esse livro com 24 anos, terminei aos 30. Foi uma fase muito forte na minha vida. Agora eu tenho 39 anos e sou uma mulher diferente do que era naquela época. Então eu não mudaria mais nada, mesmo achando que poderia ter feito algumas partes melhor. Esses ‘erros’ me mostram como eu estou crescendo e melhorando sempre como escritora”.</p>Frances comenta que algumas de suas primeiras memórias foram no Cariri de Taquaritinga do Norte, onde sua família tinha uma fazenda. “. Mesmo vivendo no exterior, eu sempre voltava para a fazenda, morei lá. E é uma parte da minha alma. Eu tive essa vivência e me inspirei nas pessoas que moram nesse ecossistema da caatinga”. Ainda de acordo com a autora, sua dificuldade foi o dia a dia dos cangaceiros porque, mesmo conhecendo, não morou no mato.</p>
Premiações
O melhor prêmio para a autora é o elogio que vem dos leitores, que enviaram e-mails para ela dizendo que adoraram. “Mas não vou dizer que não foi bom ganhar os prêmios também. Eu passei muito tempo trabalhando nesse livro sozinha, sem saber se seria publicado”, explica. Eu tinha uma grande inspiração e queria muito escrever, ninguém ia entrar no meu caminho e me parar. Mesmo se ninguém lesse, eu ia escrever essa história; foi uma necessidade para mim. Ganhar os prêmios foi uma experiência muito bonita porque me mostrou que todo aquele trabalho não foi em vão.


Futuro
Novas obras a caminho? Com certeza “é só achar um tempo para escreve-las”, brinca. “Agora estou terminando meu novo livro, um segundo romance, que deve ser lançado aqui nos Estados Unidos no final de 2018 e, se as editoras no Brasil gostarem, também no Brasil. Também tenho alguns contos a caminho”. Afinal, escrever, para ela, é uma tarefa muito trabalhosa, porém, muito bonita. “posso fazer isso por toda minha vida, não é como um jogador de futebol, por exemplo, que tem uma vida curta no seu trabalho por causa do seu corpo. Se a minha mente estiver boa, até 80, 90 anos eu posso continuar escrevendo e fazendo companhia a muitas outras personagens, compartilhando essas histórias com os leitores não só do Brasil, como do mundo todo. Será meu sonho se realizando”.

Lido 191 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

Emma Stone sobre ‘A Guerra dos sexos’: ‘Tive sorte de viver Billie Jean King’

Membro offline  
Blog PDNet 
- 10-09-17 15:37 - 0 Comentários

Estrela de Hollywood não poupou elogios à tenista americana durante a estreia do longa-metragem no London Film Festival

Emma Stone não poupou elogios à Billie Jean King na première europeia de “A Guerra dos Sexos”, que ocorreu neste sábado (7), durante o London Film Festival.



Emma Stone e Billie Jean King na premiere de A Guerra dos Sexos no London Film Festival

Foto: Divulgação

Vencedora do Oscar de melhor atriz deste ano por seu papel em “La La Land – Cantando Estações”, a estrela de Hollywood caminhou pelo tapete vermelho na Leicester Square, centro de Londres, e explicou as razões que a levaram a interpretar a tenista americana lendária em “A Guerra dos Sexos”.</p>“A história de Billie Jean é tão incrível, inspiradora. Ela mudou tanta coisa para seu próprio esporte e também para o mundo. Ela é uma grande defensora da igualdade e direitos LGBTQ. E, naquela época, ela não era capaz de falar livremente sobre o que estava passando. O fato de interpretá-la foi o que realmente atraiu minha atenção, apesar dos muitos desafios”, disse Emma.





“Conseguir fazer parte deste lado da história, compartilhando isso com o mundo e celebrando as realizações de mulheres como ela, realmente tive muita sorte de fazer esse papel”, acrescentou.</p>Já Billie Jean King, que também marcou presença no evento, retribuiu o elogio e afirmou que se sentiu lisonjeada por ter uma equipe e elenco tão talentosos retratando sua história.

â€œÉ como ter os melhores do mundo. Me sinto tão abençoada e impressionada com isso acontecendo. Você nunca pensa quando é criança que se tornará a jogadora de tênis número 1 do mundo e que eles farão um filme e a atriz número 1 do mundo irá te interpretar. Ela ganhou tudo, Globo de Ouro, Oscar. Ter Emma Stone me retratando é muito além de surreal, inacreditável”.

“A Guerra dos Sexos” conta a história da famosa partida de tênis entre Billie Jean King e Bobby Riggs (Steve Carell) em 1973, que se tornou um dos eventos esportivos mais assistidos de todos os tempos. Mais do que sobre tênis, é um filme sobre batalhas pessoais, igualdade de gênero, sexualidade e poder.



“Espero que a mensagem do filme sirva para que os jovens ‘millennials’ abracem a causa e lutem pela liberdade e igualdade. E para a comunidade LGBTQ, espero que ajude as pessoas a se sentirem mais confortáveis em sua própria pele, enquanto que, para outros, permita com que eles entendam melhor, assim não é algo tão desconhecido. Que o filme também lembre as pessoas de o quão duro era nos anos 70, por quantos problemas pessoas antes de mim e minha geração passaram. Por tudo isso, sou muito grata”, finalizou Billie Jean.</p>“A Guerra dos Sexos” estreia nos cinemas do Brasil no dia 19 de outubro.

Lido 242 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

Filme sobre Bispo Edir Macedo, “Nada a Perder” tem novas imagens divulgadas

Membro offline  
Blog PDNet 
- 10-09-17 15:34 - 0 Comentários

Filme sobre a trajetória do Bispo da Igreja Universal foi teve direitos de distribuição comprados pela Netflix e será lançado em duas partes em 2018

O longa “Nada a Perder”, que conta a trajetória do Bispo Edir Macedo, estreia somente em 2018, mas imagens do filme já foram liberadas. Em gravação desde abril deste ano, a película contará a trajetória de Macedo, desde a juventude até a criação da Igreja Universal do Reino de Deus, passando pela compra da Rede Record e até os dias de hoje.



“Nada a Perder” conta a trajetória de Edir Macedo (Petrônio Gontijo) desde a juventude até os dias atuais

Foto: Stella Carvalho/Divulgação

O filme também não fugirá das polêmicas, e deve retratar o episódio em que um pastor da Igreja chuta uma santa e a negociação de compra da emissora com Silvio Santos. O ator que fará o dono do SBT, aliás, já foi escalado, mas seu nome é mantido em sigilo. Já o responsável por dar vida a Edir Macedo é o ator Petrônio Gontijo, que já atuou em novelas da Record, como “Os 10 Mandamentos” e “Os Mutantes”.</p>

Petrônio Gontijo e Day Mesquita como Edir e Ester Macedo em cena de “Nada a Perder”

Foto: Stella Carvalho/Divulgação

Em imagens divulgadas de “Nada a Perder”, é possível ver, por exemplo, momentos da cerimônia de casamento do Bispo com Ester Macedo, interpretada por Day Mesquita. Com gravações feitas em São Paulo, Rio de Janeiro, Soweto na África do Sul e Israel, o longa conta ainda com André Gonçalves no papel de R. R. Soares, cunhado de Macedo, com quem ele rompeu relações por divergências sobre o comando da Igreja.</p>
Histórias cruzadas




Além da trajetória de Macedo, o filme ainda retratará a história de pessoas que já passaram pela sua vida, como foi o caso no cantor Latino. Interpretado no longa por Rafael Awi, Latino será retratado em um episódio de sua juventude, quando morava na rua e recebeu apoio e comida do Bispo da Universal.</p>
Lançamento mundial
“Nada a Perder” será dividido em duas partes, com a primeira chegando aos cinemas no primeiro trimestre de 2018. A Netflix comprou os direitos de exibição do longa que, após três meses da estreia será disponibilizado na plataforma. Já pensando na distribuição mundial, o filme sobre a vida de Edir Macedo deve ser lançado em 190 países.</p>
Lido 214 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

Halle Berry garante emoção e ação no agitado thriller ‘O Sequestro’

Membro offline  
Blog PDNet 
- 09-22-17 21:09 - 0 Comentários

Atriz volta a protagonizar um filme, ainda que de baixo orçamento, e preenche a tela de carisma em um suspense de alta voltagem



Halle Berry em cena de O Sequestro, que estreia nesta quinta-feira (21)

Foto: Divulgação

Halle Berry é uma atriz tão boa que chega a ser melancolicamente irônico o fato de representar o argumento perfeito para os defensores da maldição do Oscar, já que sua carreira praticamente ‘desaconteceu’ depois do prêmio por “A Última Ceia” em 2002. Em 2017, no entanto, ela ensaia um retorno em grande estilo. Está na hypada sequência de “Kingsman”, que estreia semana que vem, no drama “Kings”, ao lado do James Bond Daniel Craig, e em “O Sequestro”, em que é a estrela absoluta deste eficiente thriller cheio de ritmo e clima.</p>Dirigido por Luis Prieto, com maior rodagem na televisão, o filme tem Halle Berry como uma mãe coragem. Ela é Karla, uma garçonete que atravessa um divórcio litigioso e tenta preservar seu filho de seis anos desse ruidoso processo. Como o título entrega, seu filho é sequestrado em uma bela tarde no parque em uma cena construída, a despeito dos clichês, com muita tensão e suspense. “O Sequestro” é um filme eficiente por costurar clichês sob um manto de certa imprevisibilidade.</p>



Há aqui e ali alguns fatos que podem ser percebidos como “forçada de barra”, mas estão todos eles alinhados a um contexto de verossimilhança. Logo que percebe o sumiço de seu filho, Karla põe-se a procurar loucamente por ele e o avista sendo recolhido para dentro de um carro velho por uma mulher corpulenta e aparentemente sujismunda. Desesperada, Karla se lança em uma perseguição alucinada aos sequestradores. Sem celular, já que o aparelho caiu quando ela em vão tentou impedir que o carro partisse com seu filho dentro.</p>Prieto, com sua bagagem televisiva, entende de ritmo e “O Sequestro” avança sem gargalos para seu bom clímax. Trata-se de um filme B sem medo de ser feliz e devolve a Halle Berry um papel que, se não oscarizável, lhe permite exercitar sua musculatura dramática com gosto.</p>
Lido 270 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

Após viver Bibi Perigosa, Juliana Paes encarna Dona Flor fogosa em novo filme

Membro offline  
Blog PDNet 
- 09-19-17 20:29 - 0 Comentários

“Dona Flor e Seus Dois Maridos” estreia em novembro

Prestes a se despedir do papel de Bibi Perigosa, Juliana Paes irá viver um clássico de Jorge Amado, “Dona Flor e Seus Dois Maridos” – em que interpretará, é claro, a fogosa Dona Flor.



“Dona Flor e Seus Dois Maridos” vira filme; longa será lançado primeiro no Nordeste e só depois no resto do país

Foto: Divulgação

Nele, é possível ver os icônicos personagens Dona Flor (Juliana Paes), Vadinho (Marcelo Faria) e Dr. Teodoro (Leandro Hassum) em cenas de amor, paixão e sedução. “Dona Flor e Seus Dois maridos” coloca a professora de culinária em um grande dilema: apostar no amor de sua vida ou sossegar na certeza do amor seguro?</p>Com direção e roteiro de Pedro Vasconcelos e produção de Marcelo Faria, a história mostra o tórrido caso de amor entre Flor e Vadinho, um jovem fascinado pela vida fácil de jogatina e bebedeira da Bahia da década de 1940. Contudo, seu estilo de vida faz com que o rapaz tenha uma morte muito precoce. Assim, a jovem professora se entrega ao Dr. Teodoro, farmacêutico da cidade e completamente diferente de seu amado, ele é um homem frio, pacato e sistemático.

Com saudades dos momentos calientes que viviam, Dona Flor começa a evocar o amado, até que ele surge em espírito, bagunçando sua vida de casa. Com isso, o trio se mete em confusões que acabam tornando a vida a três um tanto quanto confusa e, ao mesmo tempo, tentadora.

“Dona Flor e Seus Dois Maridos” tem estreia marcada para o dia 2 de novembro deste ano nos cinemas do Nordeste. No resto de todo o território nacional, a data ainda será confirmada – mas a Downtown Filmes e a Paris Filmes, que distribuem o longa, afirmaram que será no mesmo mês.

Lido 252 vezes - faça um comentário   Ícone   Ícone

“Feito na América” diverte ao colocar Tom Cruise entre Pablo Escobar e a CIA

Membro offline  
Blog PDNet 
- 09-13-17 18:47 - 1 Comentários

Do diretor de “Identidade Bourne”, “Feito na América” é o tipo de filme cada vez mais raro em Hollywood. É uma produção que não almeja o Oscar nem recordes de bilheteria, apenas propiciar duas boas horas na sala escura

Doug Liman é um dos diretores mais prolíferos e influentes de Hollywood, mas pouca gente parece se importar. São deles filmes bacanas que marcaram época como “Identidade Bourne” (2002) e “Sr. & Sra. Smith” (2005). Só em 2017 lança dois filmes no cinema. O primeiro, “Na Mira do Atirador”, estreou no mês passado no Brasil e o segundo, “Feito na América”, estreia nesta semana.



“Feito na América” é uma produção que não almeja Oscar ou sucesso de bilheteria

Foto: Divulgação

Protagonizado por Tom Cruise, com quem Liman já havia rodado o também bacana “No Limite do Amanhã” (2014), “Feito na América” se escora em um personagem que merecia um filme de Doug Liman. Barry Seal (Cruise) era um piloto da aviação civil norte-americana recrutado pela CIA para afazeres operacionais como fotografar concentrações comunistas em países da América Central durante a guerra fria. Mas o moço subiu na vida.</p>Assim como a CIA, suas habilidades como piloto – e sua boa relação com a CIA – entraram no radar do emergente barão das drogas Pablo Escobar. De repente, Seal se viu como o estranho vértice de uma relação com um dos homens mais perigosos do mundo e a implacável agência de inteligência americana.</p>A produção se ocupa de reconstituir essa inacreditável história real, que já fora pincelada em outras produções como “Conexão Escobar” (2016), estrelado por Bryan Cranston, e até mesmo na primeira temporada da série “Narcos”, da Netflix. Aqui, no entanto, ganha relevo e destaque – e um ponto de vista romântico.





Sob muitos aspectos este é o filme certo para Tom Cruise, que costuma ser conhecido por não dar ponto sem nó. “Feito na América” depende de seu charme como protagonista como nenhuma outra produção recente do astro dependia. É, também, um filme de ator. Em que a história, por mais mirabolante que seja, não se impõe à destreza da atuação. E Tom Cruise, como tão bem provara ao longo da década de 90, se garante. Essa é sua melhor aparição como ator desde “Trovão Tropical” (2008), em que ele nem sequer fazia o protagonista.</p>Diversão chapada, “Feito na América” é um tipo de filme que Hollywood não aposta mais quando não há perspectiva de Oscar. É um tipo de filme, também, que você verifica com gosto na filmografia de Doug Liman. Não à toa que Cruise e Liman resolveram se reunir para o projeto. Um filme adulto, calcado na figura de um astro e que não ambiciona quebrar recordes de bilheteria. Eis um filme que vai ao passado para nos lembrar de tempos em que até no cinema as coisas eram mais simples.

Lido 295 vezes - último comentário por focão   Ícone   Ícone

J.J. Abrams será o diretor de ‘Star Wars: Episódio IX’

Membro offline  
Blog PDNet 
- 09-13-17 16:27 - 1 Comentários

Diretor de “Star Wars: O Despertar da Força” volta à franquia no nono episódio da saga, previsto para estrear em 2019

O Twitter oficial de “Star Wars” confirmou nesta terça-feira (12) que J.J. Abrams está de volta à saga. Ele será o diretor e roteirista de “Star Wars: Episódio IX”, o nono filme da franquia.



J.J. Abrams irá dirigir e roteirizar “Star Wars: Episódio IX”

Foto: Divulgação

Diretor de “Star Wars: O Despertar da Força”, J.J. Abrams volta à franquia para encerrar o ciclo que ele começou, em 2015. Ele assume o filme após a saída de Colin Trevorrow, que foi o primeiro escalado para dirigir o longa, mas acabou abandonando o projeto após diferenças criativas com a Disney.</p>Além de J.J. Abrams, também está no projeto Chris Terrio, como co-roteirista, e as produtores Kathleen Kennedy e Michelle Rejwan.</p>“Com ‘O Despertar da Força’, J.J. entregou tudo que a gente poderia esperar, e eu estou muito animado por ele voltar para fechar essa trilogia”, disse Kathleen Kennedy, presidente da Lucasfilm, em comunicado à imprensa. Além de “O Despertar da Força”, o diretor também assina “Além da Escuridão – Star Trek”.</p>
Diferenças criativas
J.J. Abrams não é o primeiro diretor a assumir um projeto em andamento no universo de “Star Wars”. Neste ano, Ron Howard também substituiu Chris Miller e Phil Lord na direção do filme focado na história de Han Solo, previsto para ser lançado no ano que vem.

“Star Wars: Episódio IX”, agora com J.J. Abrams, está previsto para ser lançado em 2019. Antes, a Disney apresenta “Star Wars: Os Últimos Jedi”, com direção de Rian Johnson e participação de Daisy Ridley, John Boyega e Mark Hammil. O filme chega aos cinemas brasileiros em 14 de dezembro. O longa solo de Han Solo, que ainda não tem nome nem data de estreia, está previsto para ser lançado em 2018.

Lido 273 vezes - último comentário por focão   Ícone   Ícone